Quando o ouro sobe – e por que tem subido agora?

0 18

O único momento em que o ouro sobe num mercado de alta geracional contínua:

O ouro “realmente” aumenta substancialmente somente quando os retornos após os impostos para ambos os mercados de títulos e de ações são, ou se espera que sejam, menores do que a inflação para o tempo considerado. Esses períodos de “Retornos Reais Negativos” (NRR, na sigla em inglês) dão origem a mercados geracionais de alta, o que só acontece quando as duas condições seguintes são cumpridas simultaneamente:

1. As ações não estão oferecendo retornos “reais” positivos, o que normalmente acontece durante grandes colapsos no mercado de ações e/ou correções significativas/prolongadas. Durante tais colapsos ou correções, geralmente há uma fuga para a segurança de títulos e ouro. No entanto, mais recentemente, as taxas de rentabilidade dos títulos foram extremamente e artificialmente baixas, o que tornou o ouro atraente – vamos ver mais sobre isso mais tarde;

2. As taxas de juro não oferecem retornos “Reais” positivos, porque:

  • As taxas de juro são nominalmente negativas, tal como são atualmente na UE e no Japão, ou líquidas negativas de inflação e de impostos, como vemos atualmente nos EUA e no Reino Unido; ou
  • A inflação está aumentando rapidamente, e as taxas de juro defasadas estão correndo contra o tempo, como vimos durante o boom do ouro em 1970-1980.

Portanto, precisamos apenas determinar quando essas duas condições serão cumpridas se quisermos investir em ouro. Note: Quaisquer picos no preço do ouro decorrentes de eventos esporádicos, tais como conflitos políticos, ações terroristas, guerras comerciais ou regionais, tendem a ser de curta duração.


Invista em ouro com o Mundo Offshore


Ações do ouro nestes últimos 18 anos interpretadas a partir da perspectiva das taxas de “NRR”

Devido ao contínuo déficit orçamental e o consequente aumento dos níveis da dívida pública, os governos tiveram um claro interesse em manter as taxas artificialmente baixas, para suprimir os custos do serviço da dívida. Abaixo nós vemos o declínio de 36 anos em 10 anos de taxas de UST abaixo da linha de resistência vermelha em declínio, que chegou ao fundo em janeiro de 2016, seguido por uma ascensão acima dessa linha. A análise técnica sugere que os rendimentos devem em breve cair para restabelecer a linha vermelha, próximo ou abaixo dos valores mínimos registrados, antes de retomar uma fuga em sentido cíclico ascendente. No entanto, aposta-se contra o Fed e outros bancos centrais, por isso é difícil antecipar quanto tempo eles vão continuar a manipular as taxas de juro para o lado negativo. Tal queda ocorreria tipicamente no caso de um colapso dos mercados de ações, que poderia ser nos períodos de setembro/outubro de 2019 ou setembro/outubro de 2020, ou a qualquer momento entre eles. Independentemente da razão, quanto mais tempo as taxas permanecerem super baixas, na linha da inflação ou abaixo dela, melhor é para o ouro.

No entanto, o padrão estocástico do gráfico “mensal” acima sugere que as taxas estão exageradas e podem subir por muitos meses antes de cair, o que pode favorecer a correção posterior do mercado de ações em 2020.

É extremamente importante perceber que os rendimentos “super/artificialmente” baixos e negativos desencorajaram a poupança e incentivaram a especulação de risco.  Isso resultou no aumento da dívida, que é o consumo futuro antecipado, e na má avaliação da maioria dos ativos.

Com relação ao gráfico abaixo, eu uso o S&P 500 mensal como indicador para os mercados globais, porque se os EUA espirram, o mundo fica gripado. As ações caíram no início de 2001/2003 e novamente em 2007/2009, mantendo-se abaixo do pico de 2000, representado pela linha vermelha horizontal, até 2013.  Durante a maior parte deste tempo, o ouro estava subindo porque as ações não ofereciam rendimentos reais positivos, ou perspectiva disso, especialmente depois de ajustar inflação e impostos. No entanto, em setembro de 2011, os investidores saíram do ouro e voltaram para as ações, porque estavam convencidos de que as ações iriam mais uma vez subir acima da linha vermelha. A linha preta vertical à esquerda reflete onde o boom do ouro terminou em setembro de 2011, depois disso, o ouro ajustou porque as ações ofereciam retornos superiores.  O ouro então caiu em janeiro de 2016, na linha preta vertical à direita, à medida que os investidores começaram a cobrir suas apostas em resposta à perspectiva de aumento da inflação com taxas crescentes e inúmeras outras razões destacadas abaixo.

Perspectivas atuais e futuras de Ações e Taxas

Do ponto de vista da análise técnica, o S&P permanece acima da linha de suporte vermelha crescente, o que sugere um novo sentido crescente, enquanto as linhas azuis de Fibonacci mostram que o S&P não fez um ajuste de 38,2% de toda essa alta do mercado. No entanto, agora este boom é um dos mais longos registrados e os mercados estão sobrecarregados, por isso estamos atrasados para uma correção.  Além disso, a MACD está fortemente alinhada e também vemos uma provável divergência de baixa entre o preço e o oscilador estocástico, como refletido pelas duas linhas vermelhas curtas.  Os gráficos semanais (não mostrados), mostram os mercados supercomprados, o que sugere que a divergência mensal acima será confirmada.  Portanto, é possível que o S&P esteja formando uma cabeça tripla em baixa. Por outro lado, se o S&P atingir um novo recorde, por exemplo, 3 000 (um aumento de 1-2%), poderá completar um topo de flâmula de baixa.

Note-se que, no passado, as taxas de juro eram o “mecanismo de preços de risco” do mercado, com taxas mais elevadas sugerindo um risco mais elevado e taxas de juro mais baixas sugerindo um risco mais baixo. Logo, os fundos de investimento costumavam se deslocar entre os mercados de ações (com risco) e os mercados de títulos (sen risco), o que significava que as ações e os títulos não estavam correlacionados.  No entanto, nesta era em que as taxas de juro não são fixadas por mercados “livres”, mas, ao invés disso, são mantidas artificialmente baixas pelos bancos centrais, esse mecanismo de fixação de preços de risco está quebrado. Estas taxas cada vez mais baixas tornaram atrativos tanto os mercados de ações como os mercados de títulos e, consequentemente, estes dois mercados estão cada vez mais correlacionados nos últimos 10 anos.  Essa não é uma boa situação, porque sugere que o próximo ciclo “sem risco” pode ser muito doloroso, uma vez que a tradicional fuga para a segurança oferecida pelos mercados de títulos deixará de ser tão atrativa. É exatamente aí que o ouro tem sua oportunidade como o último destino de “fuga para a segurança”.

Para piorar as coisas, as recessões normalmente eliminam os excessos que se acumulam durante os booms.  No entanto, a intervenção do banco central impediu repetidamente que isso acontecesse, entregando-se a políticas monetárias não testadas, como a QE, TARP, ZIRP, etc. Atualmente, 40% dos títulos da Zona do Euro e 16% dos títulos corporativos têm rendimentos negativos. O fato de que a despesa pública continua sem diminuição e a dívida pública continua num espiral fora de controle, sugere que a QE é o único resultado lógico futuro. Isso seria inicialmente acompanhado pela nova repressão das taxas, mas poderia no futuro alimentar a inflação, sendo que ambas seriam excelentes para o ouro.

As taxas de rentabilidade dos títulos artificialmente baixas e negativas resultantes causaram significativas distorções do mercado, uma vez que a moeda a baixo preço reduz o patamar para os investimentos que, de outro modo, não seriam considerados. Entre outros, isto levou os fundos de pensões e as empresas de investimento a procurarem por rendimentos, o que se traduz em estratégias mais arriscadas e numa maior dor em caso de colapso do mercado. Consequentemente, os excessos e as distorções continuam crescendo sem alterações, o que sugere que o próximo colapso do mercado será, de fato, um grande reajuste econômico.

No entanto, tal como acima referido, as taxas super baixas incentivaram investimentos de risco, o que, por sua vez, resultou numa má avaliação de preços dos ativos. Consequentemente, uma das altas de mercado mais fortes da história não foi acompanhada pelo tradicional crescimento “forte” de 4%-6% do PIB, mas, em vez disso, foi acompanhada por uma recuperação econômica muito fraca. Estima-se, por exemplo, que 15% das empresas no S&P estão perdendo dinheiro após os juros, apesar das taxas serem tão baixas.  Na verdade, grande parte deste “boom” aparentemente impressionante foi impulsionado por expectativas de crescimento especulativo, não valor. Isso porque a última parte deste boom patrimonial, estava principalmente na atrás de um punhado de ações de tecnologia, recompra de ações e, mais recentemente, de ofertas públicas iniciais de empresas de tecnologia deficitárias, cujas ações disparam apesar das contínuas perdas.

Deve-se notar também que o PIB é uma medida do crescimento do volume de negócios e, no nosso emergente mundo multitecnológico, onde as coisas são cada vez mais baratas ou gratuitas, as medidas econômicas atuais já não são representações precisas do desempenho econômico. Além disso, muitas das estatísticas econômicas, como a inflação, são manipuladas pelos governos para refletirem resultados mais favoráveis. Assim, tanto o governo quanto as empresas estão operando cada vez mais no escuro sem uma bússola precisa.

Adicione a tudo isso o fato de que inúmeras tecnologias revolucionárias vão mudar a forma como fazemos negócios e como nosso mundo funciona nos próximos 5-10 anos.  Isso fará com que muitas mega corporações e até mesmo indústrias sejam transformadas, encolhidas ou falidas.

Fundamentalmente, tudo isso lança as bases para uma tão esperada correção de 38,2% – 50,0% de Fibonacci.  Quando isso acontecer, haverá uma fuga para a segurança dos títulos, o que fará baixar as taxas. Espero que comece em outubro de 2019 ou 2020.

Naturalmente, se um colapso patrimonial fizer com que as taxas de juro dos EUA caiam, o Dólar perderia sua atratividade e uma significativa fragilidade do Dólar anunciaria provavelmente o início da inflação, o que, por sua vez, seria bom para o ouro.

Por que investir em ouro (e prata) – desde que saibamos o momento certo

A análise acima sugere que em breve veremos uma correção em ações, e em breve veremos as taxas caindo abaixo da inflação mais uma vez, cumprindo assim os dois critérios necessários para o ouro retomar seu papel como o último destino de “fuga para a segurança”.

Lembre-se, o único objetivo de comprar ouro ou prata “físico” é:

  1. Possuir um ativo tangível para assegurar o retorno do seu capital quando o retorno sobre o seu capital estiver em risco e for provavelmente bastante negativo no futuro próximo do NRR;
  2. Fugir da posse de moedas fiduciárias, que continuamente perdem valor;
  3. Abandonar o sistema bancário desonesto; e
  4. Eliminar o risco de terceiros no momento em que os bônus de incentivo criaram uma situação onde as estratégias de gestão e as avaliações de capital deixaram de ser racionais.

O ouro sempre mantém o seu valor, ou ainda aumenta, em tempos de crise econômica.  Além disso, o ouro é a cobertura cambial perfeita numa era em que todas as moedas são fiduciárias e tendem a zero. Por fim, o ouro superou todas as classes de ativos nos últimos 100, 50 e 20 anos. Antes de se tornar presidente do Fed, Alan Greenspan disse:

“Na ausência da referência do ouro, não há como proteger as economias do confisco através da inflação. Não há reserva segura de valor. O déficit orçamental é apenas um esquema para o confisco oculto da riqueza. O ouro está no caminho deste processo traiçoeiro. Atua como um protetor dos direitos de propriedade. Compreendendo-se isso, não se tem dificuldade em entender o antagonismo das estatísticas em relação ao padrão do ouro”.  Ele confirmou recentemente que mantém cada uma dessas palavras.

No final de 2016, Greenspan comparou o inflado balanço do Fed a “um barril de pólvora que não foi aceso”, caracterizou o trabalho do presidente do Fed como “sujeito à forte imposição do governo federal”, e recomendou a propriedade do ouro como uma cobertura para investidores privados. “O ouro”, ele disse, “é uma boa opção para colocar o dinheiro hoje em dia devido ao seu valor como moeda fora das políticas conduzidas pelos governos”.

Ações e perspectivas do Ouro – um cenário futuro

Antes que o ouro possa realmente retomar o mercado geracional de alta que iniciou em 2001, precisamos de NRR’s tanto em ações quanto em títulos. Isso provavelmente só acontecerá se as ações entrarem em colapso no fim de sua ATUAL RECORDE, que, por sua vez, iria reduzir os rendimentos ao seu recorde histórico de baixas, ou ainda pior, como haveria uma fuga para a segurança dos títulos.  Portanto, tudo o que temos que fazer é antecipar, ou esperar pelo dia, em que os mercados de ações tenham uma correção significativa, uma vez que isso irá desencadear tanto a redução do rendimento dos títulos quanto o aumento dos preços do ouro. Isso sugere que analisar os gráficos de preços do ouro é quase inútil até que isso aconteça.

O ouro ainda não está fora de perigo e os gráficos não são otimistas. Necessariamente, o ouro deve primeiro romper a linha horizontal de resistência vermelha mostrada no gráfico mensal abaixo, que se encontra em cerca de $1,370, antes de subir para os próximos níveis principais de resistência azuis, em cerca de $1,800 e $1,920.  Tendo em mente que este é um gráfico mensal, o rompimento dos $1,370 pode acontecer em setembro de 2019, ou somente em 2020.

Um rompimento posterior acima de $ 1,920 seria a confirmação conclusiva de que o mercado de Alta Geracional do Ouro está a caminho de um desempenho brilhante. Quando o ouro romper acima de $1,920, é minha convicção que ele vai chegar entre $ 8,000 e $10,000 por volta de 2025-2027, o que seria 6 a 7,5 vezes maior que o preço atual de $ 1,300.  A prata, por sua vez, provavelmente chegue a $300, $400 ou até $500, o que seria 20 a 33 vezes maior do que o preço atual de $15.00.

Esse comentário com gráficos, de Jesse Felder, ressalta o que foi dito acima.

Um gráfico que eu tenho observado nos últimos anos é a relação do ouro para o S&P 500. Ao longo do último meio século houve bons momentos para possuir ouro e bons momentos para possuir ações, e os dois raramente coincidiram (tornando o ouro uma carteira de diversificação melhor do que muitas alternativas). A tendência na relação dos dois (na parte inferior do gráfico abaixo) tem sido um bom guia para entender quando possuir cada um.

Muito recentemente a razão cruzou acima da sua média móvel de 10 meses, dando assim um outro sinal de compra, o que sugere que as tendências de mercado são favoráveis a possuir ouro versus possuir ações. Superando a sua alta mais recente, estabelecida no final do ano passado, provavelmente confirmaria que este último sinal é mais do que apenas um “whipsaw.” E isso teria importantes implicações a longo prazo para todos os tipos de investidores, já que essas tendências geralmente duraram uma década ou mais.

Considerações finais

Sem ouro e prata, há pouca diversificação em sua estratégia. A diversificação nas ações não é diversificação se os mercados entrarem em colapso, uma vez que todas as ações caem em conjunto. Hoje em dia, a diversificação em títulos não é tão inteligente como no passado, especialmente se houver um risco de aumento das taxas. Note: Considero a platina e o paládio arriscados a longo prazo, uma vez que 50% da PGM é usada em automóveis com motores de combustão interna, sendo que a maioria destes provavelmente será substituída por automóveis elétricos na próxima década.

Isenção de responsabilidade: O conteúdo deste relatório representa as opiniões do Mundo Offshore. Quando aplicável, o conteúdo deve ser considerado como uma orientação informativa para fazer o leitor pensar e não como um conselho específico.

Seus relatórios de investimento visam educar e ajudar os investidores a entender as considerações e estratégias de investimento.  Como a negociação e o investimento em quaisquer mercados financeiros podem envolver sérios riscos de perda, Mundo Offshore recomenda que você consulte um consultor de investimento habilitado.

Entre em contato conosco para solicitar uma consulta com um consultor especializado.

Comentários
WhatsApp chat