A OCDE e a relação com o PCI é a concorrência fiscal – Parte 1

0 14

A CARICOM parece finalmente ter percebido que a UE quer destruir o futuro econômico da região sob o pretexto da boa governação fiscal e outras enganações. Porque demoraram tanto? Você pode encontrar uma versão em inglês deste artigo aqui

Em 27 de Março de 2019, a CARICOM (Comunidade do Caribe) emitiu uma declaração em resposta à emissão por parte da UE, em 12 de Março, de uma lista revisada de países que alegadamente não aderiram à boa governança fiscal. A lista incluía cinco jurisdições, são elas: Barbados, Belize, Dominica, Trindade e Tobago e Bermudas.

A UE também colocou sete outras jurisdições numa lista de monitoramento. Estas jurisdições se comprometeram a realizar reformas até dezembro de 2019 e estão fazendo esforços nesse sentido. Elas incluem Antigua e Barbuda, Bahamas, São Cristóvão e Nevis, Santa Lúcia, Anguilla, Ilhas Virgens Britânicas e Ilhas Cayman.

Países “soberanos” que não podem escolher suas próprias políticas econômicas

Para contextualizar, em 2016, o Grupo do Código de Conduta da UE (Tributação das Empresas) começou a realizar uma revisão das 213 jurisdições, a fim de garantir que estas cumprissem com as normas internacionais em evolução relacionadas com o projeto da Erosão de Base e Mudança de Lucro (BEPS, na sigla em inglês) da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Isso especialmente no que se refere à questão do conteúdo econômico das companhias domiciliadas dentro dos seus limites geográficos.

Em dezembro de 2017, os ministros das finanças dos Estados-Membros da UE chegaram a um acordo sobre uma lista de 17 jurisdições fiscais “não cooperantes” durante a sua reunião em Bruxelas. Eles anunciaram este acordo em uma comitiva de imprensa que afirmava que essas jurisdições eram assim rotuladas por “não cumprir com os padrões acordados de boa governança fiscal”.” Ao avaliar as jurisdições, a UE analisou três critérios:

  1. Transparência: O país deveria respeitar as normas internacionais em matéria de intercâmbio automático de informações e de intercâmbio de informações, mediante pedido. Deveria também ter ratificado a Convenção multilateral da OCDE ou assinado acordos bilaterais com todos os Estados-Membros, a fim de facilitar este intercâmbio de informações. Até junho de 2019, a UE só exige o cumprimento de dois dos três critérios de transparência. Depois disso, os países terão de cumprir os três requisitos de transparência para evitar serem incluídos na lista.
  2. Concorrência Fiscal Leal:O país não deve ter regimes fiscais prejudiciais que contrariem os princípios do Código de Conduta da UE ou do Fórum da OCDE sobre as Práticas Fiscais Prejudiciais. Aqueles que optam por não ter imposto sobre as corporações devem assegurar que isso não incentive estruturas offshore artificiais sem uma atividade econômica real.
  3. Implementação do BEPS: O país deve ter se comprometido a aplicar as normas mínimas do BEPS.

É interessante notar que a referência à concorrência fiscal leal faz lembrar o Relatório da OCDE de 1998 sobre a Concorrência Fiscal Prejudicial que deu início ao projeto de contenção da concorrência fiscal global. Alguns de nós acreditam que este foi o ponto de partida para um movimento em direção a uma harmonização global dos impostos sobre o rendimento das pessoas físicas e das empresas, a fim de impedir que as empresas e os cidadãos se mudem de jurisdições com cargas fiscais elevadas para outras com impostos mais baixos.

Nesta série de duas partes, vou examinar as declarações da CARICOM e comentar a respeito, uma vez que é muito importante reconhecer e apoiar as opiniões dos nossos líderes regionais e oferecer encorajamento. No entanto, também é indispensável ajudar os nossos líderes políticos e diretores a compreenderem as questões mais vastas que estão além do que a UE e a OCDE estão fazendo, uma vez que afeta negativamente a nossa região. Isto é fundamental para garantir a implementação de uma estratégia adequada para proteger os nossos interesses.

 

Os objetivos vão continuar em movimento até que sua vantagem competitiva tenha sido apagada

A declaração da CARICOM observou que “a narrativa fornecida pelo Conselho da UE para apoiar a inclusão dos Estados da lista negra é grosseiramente enganosa e deturpa a resposta, de boa fé, dos nossos membros desde a listagem inicial, em dezembro de 2017. Este novo ataque às perspectivas econômicas dos nossos Estados-Membros constitui uma violação do nosso direito soberano de autodeterminação no interesse do povo da CARICOM. Além disso, estamos preocupados com o fato de que a “estratégia de boa governança fiscal” da UE esta começando a confrontar as práticas anticompetitivas definidas na dizimação do setor de negócios internacionais e serviços financeiros no Caribe.“

É claro que a afirmação da CARICOM é 100% exata, mas levanta uma questão óbvia: por que isso está sendo dito só agora?

Para qualquer ser sensível, esta última etapa da lista negra não deveria ser surpresa. Isto porque, como mencionado anteriormente, desde 1998, liderados pela OCDE, os estados europeus têm atacado os serviços financeiros e o setor empresarial internacional do Caribe, que agora inclui a indústria de PCI.

Além disso, estes ataques são planejados – intencionalmente, a meu ver – para prejudicar as perspectivas econômicas da região. Eles violam o direito soberano da autodeterminação no melhor interesse do povo da CARICOM.

No entanto, tenho de perguntar mais uma vez, como é que a CARICOM só percebeu isso agora, quando isso vinha acontecendo há mais de 20 anos?

Os nossos líderes dormiram ao volante ou eram covardes demais para dizer o que era óbvio? Suponho que é melhor chegar a esta conclusão tarde do que nunca, mas vale a pena notar que realmente isso já estava escrito há um bom tempo.

A declaração da CARICOM continuou assinalando que o Conselho da UE declarou que Barbados “substituiu um regime fiscal preferencial prejudicial por uma medida de efeito semelhante e não se comprometeu com sua alteração ou abolição até o final de 2019.”

No entanto, verificou-se que Barbados realizou uma revisão do seu regime de imposto sobre as corporações em 2018 e decidiu prosseguir a convergência fiscal, que eliminou a alegada “preferência” de acordo com o setor empresarial internacional. Agora Barbados aplica uma taxa de imposto de 1% a 5,5% sobre o rendimento tributável de todas as corporações registradas nessa jurisdição.

A declaração prosseguiu: “Esta política tem sido sancionada pela OCDE, como autoridade global reconhecida sobre a governança fiscal, que reiterou que uma baixa taxa de imposto não constitui, por si só, um regime fiscal prejudicial. Além disso, Barbados solicitou esclarecimentos sobre as áreas de divergência nos requisitos para uma “jurisdição fiscal baixa”, tal como estabelecido pelo Fórum da OCDE sobre Práticas Fiscais Prejudiciais (FHTP, na sigla em inglês) e o “critério da tributação justa” da UE. A UE, entretanto, só respondeu ao pedido de Barbados no dia seguinte à emissão da lista negra revisada.”

A UE também incluiu sete outras jurisdições em uma lista de acompanhamento. Essas jurisdições se comprometeram a realizar reformas até dezembro de 2019 e estão fazendo esforços nesse sen

A UE/OCDE não ficarão satisfeitas enquanto o capital não tiver qualquer incentivo para deixar suas fronteiras

Em primeiro lugar, fico surpreso que a CARICOM se surpreenda com o fato de que a UE não está tratando os estados-membros como Barbados com um certo respeito e cortesia. Os nossos líderes esperavam algo melhor? Me surpreende também que a declaração dá a impressão de que a UE ficaria satisfeita com as baixas taxas fiscais sendo impostas por Barbados.

Também fico surpreso com a convicção da CARICOM de que a palavra da OCDE pode ser confiada em qualquer coisa. Depois disso, desde quando a OCDE se tornou a autoridade globalmente reconhecida em matéria de governança fiscal? Quem morreu e deu esse direito à OCDE, posso questionar?

O simples fato de que a CARICOM parecer ter aderido à natureza autoproclamada da reivindicação da OCDE sobre este estatuto é um sinal de fraqueza e derrota. Somente um organismo aprovado pelas Nações Unidas (ONU) teria o direito a tal reivindicação. Mas o clube dos países ricos – que é o que a OCDE é – assumiu a responsabilidade de usurpar os direitos soberanos dos estados para decidir suas políticas fiscais. Isto porque pretende assegurar que a riqueza circule e permaneça dentro dos limites dos seus estados-membros em detrimento das economias novas e emergentes.

A declaração da CARICOM continua a lamentar o fato de “o caso de Belize e das Bermudas representar um claro desvio da prática de colocar as jurisdições na lista cinza (Anexo II) para efeitos de monitoramento, uma vez que tenham assumido compromissos de alto nível para corrigir as alegadas “deficiências”.” Sobre isso só posso dizer: “surpresa, surpresa”.

A UE não quer saber de protocolos ou procedimentos. O objetivo é assegurar que os estados soberanos não concorram contra os seus estados-membros pelo investimento de capital e pelos empreendedores que possam criar riqueza e impulsionar as economias do século XXI.

Meus amigos da CARICOM continuaram a acrescentar que “o Conselho da UE afirmou que Belize ainda não alterou ou aboliu um regime fiscal preferencial negativo” apesar das reformas legislativas, administrativas e fiscais e realizadas até 31 de dezembro de 2018, que foram sancionadas pela OCDE.

A UE também afirmou que Belize introduziu uma “nova medida fiscal preferencial” nas suas reformas fiscais de 2018. No entanto, Belize alega que as taxas de imposto de referência de 1,75% a 3,35% sobre o rendimento tributável de Empresas Internacionais e entidades que operam nas Áreas de Processamento Designadas de Belize são consistentes com o regime histórico de imposto sobre o rendimento e imposto corporativo de Belize.

No entanto, o Belize aceitou e estabeleceu, assim como solicitado pela UE, um compromisso de alterar esta chamada “nova medida fiscal preferencial” até 31 de dezembro de 2019. Apesar do seu compromisso para alterar ou abolir o “recém identificado regime fiscal preferencial prejudicial até o final de 2019,” que a UE declarou que irá monitorar, bem como um compromisso adicional político de alto nível para solucionar quaisquer outras preocupações da UE, Belize foi incluída na lista negra em 12 de março. “

Aprenda com Neville Chamberlain: O apaziguamento não funciona.

Este comportamento arrogante da UE no seu tratamento com Belize é típico, porque o objetivo, como eu disse, não é uma boa governança fiscal. É a destruição da concorrência fiscal, para que nenhum estado possa competir com a UE em matéria de impostos sobre as sociedades e sobre o rendimento, exceto, naturalmente, os estados como os EUA, China, Rússia e outros que a UE não pode ameaçar ou intimidar.

O tratamento de Belize prova a história sobre um homem e um crocodilo que meu amigo, o economista norte-americano, dr. Dan Mitchell, usa muitas vezes quando fala sobre lidar com organizações como a OCDE e a UE: Se você alimentar um crocodilo com o seu braço, ele não vai ficar satisfeito e vai voltar para pegar o outro braço, em seguida, uma perna, em seguida, a próxima perna e, por fim, todo o seu corpo. A UE e a OCDE não estão satisfeitas com o apaziguamento, que nunca funciona.

Na segunda parte da série, examinarei a resposta da CARICOM face às outras jurisdições mencionadas na lista negra da UE.

Comentários
WhatsApp chat