Entenda as mudanças legislativas em Belize e como estas impactam os IBC

0 58
Por Luigi Wewege

No final de 2018, a Assembleia Nacional de Belize tomou medidas para alterar as três leis existentes. O objetivo era modificar a legislação atual, de modo a estar mais alinhada com as expectativas estabelecidas por organizações como a “Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico” e a “Financial Action Task Force”.

Como são organizações internacionais encarregadas de avaliar e regulamentar políticas e procedimentos financeiros em diferentes países, houve alguma preocupação com as leis aplicáveis ao estabelecimento e gerenciamento de contas offshore em Belize. Especificamente, três Atos que fornecem a estrutura para operações bancárias offshore em Belize- A Lei das Sociedades Comerciais Internacionais, a Lei de Imposto de Rendimento e Negócios e a Lei de Deveres de Carimbo- todas estas passaram por modificações que permitiram a Belize recuperar o estatuto de paraíso financeiro favorecido.

Quais foram essas mudanças e como estas afetarão as empresas internacionais de negócios (IBCs) agora e no futuro? Aqui está uma análise detalhada que ajudará você a entender o impacto no estabelecimento e na manutenção de contas em Belize.

Uma nova visão sobre quem pode possuir uma empresa de negócios internacionais

Aprovada em 1990, a Lei da Empresa Internacional de Negócios não é estranha a alterações. A ação legislativa para alterar a lei ocorreu mais de que uma vez, ao longo dos anos. As últimas revisões e/ ou alterações ocorreram em 2011. Com as alterações que entraram em vigor a 1 de janeiro de 2019, ocorreram três alterações significativas. O primeiro tem a ver com quem pode possuir um IBC. Até este ponto, os proprietários de IBC também não podiam ser residentes legais de Belize. Agora é possível ser um residente de Belize, ter uma presença física no país e estruturar a empresa, em total conformidade com as leis relacionadas aos IBC.

Como isso foi realizado? As mudanças ampliaram a definição do residente de Belize. Uma isenção que antes impedia que um IBC fosse classificado dessa maneira não existe mais agora. Isso provocou a segunda mudança significativa, ao remover também a proibição de realizar negócios com outros residentes legais, algo que poderia ajudar a ampliar as vendas e outras oportunidades de negócios para empresas qualificadas.

Em terceiro lugar, os IBC agora podem possuir propriedades físicas dentro do país, fornecendo a mudança para estabelecer instalações que atendem ativamente uma base de clientes local e internacional. Ainda existem qualificações que devem ser atendidas para cumprir os novos regulamentos do IBC. Isso inclui um requisito de presença física. Os empresários que buscam esse estatuto recebem um período de cinco anos para cumprir.

 

Atualmente, estão em vigor obrigações tributárias e de informações que não eram anteriormente aplicáveis ​​aos IBCs.

Quem paga impostos agora?

As alterações também afetam as obrigações fiscais. Eles andam de mãos dadas com que tipo de entidade agora pode ser considerado uma residente de Belize. Dependendo da natureza da operação comercial, a entidade pode ser classificada como conhecida como residente tributário. Em alguns casos, as alterações eliminam o potencial de serem consideradas uma jurisdição de tributação zero. Entidades desse tipo são geralmente consideradas um pouco mais arriscadas. No passado, uma jurisdição de tributação zero enfrentava maiores despesas relacionadas aos custos de conformidade. Houve também um processo mais complexo para cumprir com os regulamentos vagamente chamados de requisitos “Conheça o seu cliente”. Qualificar-se para residência significa que o IBC deve gerar um mínimo de rendimento anual. Essa receita é coletada e não gerada. Também existe o potencial de uma auditoria. Para que isso ocorra, existem vários fatores que devem estar presentes. Por exemplo, o total de receitas da entidade deve ser igual ou superior a US$ 6.000.000 em dólares americanos. Se a entidade opera com uma instalação de processamento no país, as receitas devem ser iguais ou superiores a US$ 500.000 em dólares belizenhos. Há também uma lista de cinco outras qualificações incluídas nas alterações que podem ou não levar a uma auditoria. Um mínimo de pelo menos destes dois deve ser aplicado:

  • A entidade deve ser listada numa Bolsa de Valores, que atenda aos termos dos Atos
  • Planeamento de liquidação total ou parcial dos ativos da empresa por meio de uma ação, pública ou privada
  • Reestruturação da empresa e venda de ativos como parte do processo
  • Entidades relacionadas que criam e arquivam demonstrações financeiras consolidadas
  • Qualquer entidade regulamentada pela Comissão Internacional de Serviços de Financiamento

As obrigações fiscais e de relatórios, que não se relacionavam anteriormente a esses IBC, agora aplicam-se. Isso inclui o cálculo e a remessa de impostos, de acordo com as tabelas fornecidas na Lei, arquivando as devoluções anuais com base nos regulamentos atualmente em vigor e potencialmente sujeito às disposições encontradas na Lei de Deveres do Selo.

Deveres Avaliados aos Documentos Emitidos por IBC

A capacidade de se registar como residente legal também significa que os IBC estão sujeitos às disposições da Lei do Selo, que não se aplicavam anteriormente. Esta lei concentra-se nos direitos ou impostos cobrados relacionados a documentos emitidos por e para organizações consideradas residentes em Belize.

Os documentos relacionados a transações de terrenos, faturas e recibos por serviços prestados, cheques e outros instrumentos juridicamente vinculativos estão agora sujeitos aos mesmos deveres que as entidades nacionais.

Como Belize beneficia-se dessas mudanças?

Existem várias maneiras pelas quais Belize beneficia-se com estas alterações. Além de coletar uma quantia modesta de impostos, o potencial de maior reconhecimento na comunidade global é um forte motivador.

Simplificando, alterar as leis atuais para que elas sejam encaradas com mais simpatia pelas organizações internacionais que valorizam muito a transparência, traduz-se num perfil positivo ainda mais elevado Isso, por sua vez, abre caminho para mais interesse por parte das entidades empresariais offshore.

Embora existam impostos envolvidos, eles permanecem comparativamente baixos quando examinados juntamente com os impostos apurados noutros países. Mesmo em níveis mais baixos na geração de receitas por parte das empresas, os impostos são favoráveis para empresas de todos os tamanhos. O facto de a obrigação tributária ser menor, quando as receitas atingem e mantêm um certo nível, servem apenas para tornar o estabelecimento de residência mais atraente.

Optar por alinhar as leis aos padrões internacionais também é algo muito positivo para Belize. Os IBC, que possam estar considerar residência, provavelmente verão as mudanças como um aprimoramento da estabilidade dentro do país. Isso apresenta-se como mais um motivo para considerar Belize, em relação a outros países que oferecem benefícios financeiros semelhantes.

Há quem acredite que as emendas servirão apenas para tornar Belize mais atraente para os empresários do que nunca. Embora muito dependa da natureza da operação e se a empresa atende às qualificações para residência legal, há uma boa chance de que as entidades que antes negligenciaram Belize agora considerem seriamente o que o país tem a oferecer. Somente o tempo dirá se isso é verdade ou não.


Luigi Wewege é o vice-presidente de um dos bancos mais prestigiados de Belize. Ele publicou o livro “The Digital Banking Revolution” e também é co-autor de uma investigação apresentada ao Congresso dos EUA. Além de escrever para a Mundo Offshore, Luigi é instrutor na escola FinTech e palestrante no Centro de Inovação do Vale do Silício. Ele possui diploma com especialização em negócios internacionais e mestrado triplo em Finanças, Negócios Internacionais e Administração pela University of Missouri-St. Louis.
Comentários
WhatsApp chat