Panamá, o país com maior crescimento económico da América Latina

0 17

Panamá é o país que mais se desenvolveu na América Latina nos últimos 25 anos. É por esse sucesso económico gigantesco que foi considerado a “Singapura latino-americana”.

Há mais de 30 anos, o Panamá, ao contrário do resto dos países da América Central, abriu-se para o mercado mundial no momento em que a região estava na chamada “década perdida”, ou seja, a passar por uma situação económica difícil.

O chefe de missão no Panamá e o chefe de divisão no Departamento do Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI), Alejandro Santos, disse que “o Panamá passou por um salto quântico económico”, em entrevista à BBC Mundo.

“Foi um impulso gigantesco, comparável a outros países asiáticos, como Singapura ou a Coreia do Sul”.

O FMI disse que o Panamá foi líder de mercado na região nos últimos 25 anos, com 5,9%, seguido pela República Dominicana, Peru, Chile e Costa Rica.

Além disso, o crescimento económico dessa nova nação excedeu mais que o dobro da média regional.

A Cidade do Panamá representa a “jóia do progresso”, devido à sua espetacular estrutura urbana, ao incrível fluxo comercial, às pessoas e às empresas e ao gosto de uma economia satisfatória, com uma quantidade significativa de dinheiro em circulação.

Crescimento chocante

No final dos anos 80, enquanto os países latino-americanos passavam por uma profunda recessão nos seus mercados internos, devido à grave crise económica, que punia cruelmente a América Latina (dívida externa impagável, défices fiscais enormes e volatilidade inflacionária e cambial). O Panamá, com um certo nível de estabilidade política e uma posição geográfica privilegiada, começou a expandir o seu mercado para o mundo e atualmente é um dos grandes centros internacionais de atividade comercial, financeira e logística.

Além disso, a rota interoceânica conseguiu dobrar a sua capacidade de tráfego marítimo e a circulação de navios maiores, o Postpanamax, graças à reforma do Canal do Panamá, que terminou em meados de 2016, e que, portanto, tem permitido ao Panamá canalizar muitos dos seus investimentos.

Encontre todas as informações sobre oportunidades financeiras e de residência no Panamá em panamaresidency.net.

 

O Panamá é o país que mais se desenvolveu na América Latina nos últimos 25 anos. É por esse sucesso econômico devastador que foi chamada de “Cingapura latino-americana”.

Fundamentos do crescimento económico constante

José Cuesta, economista do Banco Mundial, em entrevista à BBC Mundo, explicou que “o Panamá investiu muito nos últimos cinco anos”; portanto, pode-se dizer que o canal não foi o único fundamento do seu desenvolvimento económico.

Taxas de investimento de aproximadamente 40% permitiram ao Panamá expandir os seus setores, como logística, telecomunicações e finanças, e assim manter um constante desenvolvimento económico.

Outro fator significativo na atração de grandes investimentos tem sido o aeroporto. Para além de, segundo o economista, as obras de metro e outras infraestruturas, como pontes e sistemas de água e saneamento. “Isso reduziu significativamente a pobreza“, explica ele, de 22% em 2010 para 13% em 2018. De facto, nos últimos quatro anos, 150.000 pessoas deixaram a sua situação de pobreza.

A contribuição significativa da mineração

Segundo o FMI, além do desenvolvimento económico de 3,7%, em 2018, o Panamá continuará a crescer ainda mais este ano, em aproximadamente 6%. Consequentemente, o Panamá superaria o Chile como a nação com o maior desenvolvimento económico per capita da região em 2019.

De facto, a mina de Cobre Panamá, que é operada pela empresa canadense First Quantum, planea comercializar aproximadamente 320.000 toneladas de concentrado desse mineral anualmente, quando atingir o nível máximo de produção.

Alejandro Santos, do FMI, diz que o grande desafio do Panamá é acompanhar o desenvolvimento económico; e, embora possa não ser fácil, as previsões de expansão são extremamente otimistas, especialmente quando a exploração de mineração está constantementeà procura de novos depósitos de cobre.

Comentários
WhatsApp chat