Uma Viagem Pela China

0 16

Nesta viagem, decidi explorar algumas das principais cidades da China e visitei Shenzhen (no sul); Hong Kong, o seu vizinho; e Guangzhou, um importante centro comercial e industrial. Desta forma, consegui cobrir a vasta distância de Harbin, a cidade de gelo e neve adjacente, do Japão até à Coreia, e voei para Xangai e Pequim.

Ao visitar estas cidades, percebe-se imediatamente que a China apenas existe como uma entidade única na mente ocidental desinformada, ou mais concretamente, a mente americana que, devido à sua infeliz falta de educação, acredita que os chineses são um povo único, sem diversidade alguma.  Na verdade, a China é composta por cerca de 56 a 58 nações, com diferentes idiomas, roupas, hábitos, crenças e pontos de vista. Em termos de território, a China eclipsa a Europa na população, mesmo somando todos os países juntos. Até mesmo tentar descrever, quanto mais entender, este gigantesco paradoxo humano é tão complicado quanto parafrasear as obras de Lao Tzu ou compreender o Zen.

Pode-se perdoar os americanos, pois Mao Zedong, o irmão mais velho do povo chinês, também acreditava que havia uma China. Para unificá-la, este teve que adotar a atitude de Karl Marx, em que todas as pessoas são iguais, e proceder com o que eufemisticamente chamada Revolução Cultural, na tentativa de remover todos os laços da China com seu passado. Tal como Marx, Mao acreditava que a barriga era mais importante que o coração ou a alma e ele comprometeu-se muito a alimentar a população faminta da China, enquanto desmantelava todos os seus ideais culturais.

A maioria dos chineses, que se recordam, acham que Mao foi longe demais. Este acaba por ser um tópico que é melhor não ser falado, porque a China pagou um preço muito alto; Hoje, embora as barrigas estejam cheias, há uma enorme quantidade de poluição, alimentos tóxicos, medicamentos prejudiciais e uma série de problemas sociais. Os erros da época eram muitos e Mao continuou a isolar a China do resto do mundo, um erro cometido por muitos dos imperadores anteriores, que se recusaram manter relações com o Ocidente e depois, ironicamente, sofreram as várias invasões, um problema que Mao chegou ao poder para resolver. A China ficou isolada dos ideias ocidentais, da tecnologia e da inovação, mas, mais importante, dos valores renascidos do confucionismo, do budismo e do taoísmo, que alimentaram a força vital da cultura e da identidade chinesas, sendo quase estrangulados.

 

Crianças chinesas estudam 12 horas por dia e um gerente financeiro em Cingapura já me disse que os estudantes de Cingapura estão substituindo até mesmo os melhores graduados em Cingapura por causa de seu treinamento e habilidades superiores.

 

A China moderna, sob a liderança de líderes como Deng Xiaoping (que pode ser considerado o Gorbachev da China, da mesma forma que Mao poderia ser o Stalin) percebeu que, mesmo todas as pessoas sendo iguais, algumas são mais iguais que outras e iniciaram o longo caminho para a reforma financeira e social que marca a China de hoje. Enquanto as fábricas chinesas fornecem uma grande proporção da necessidade mundial pelos produtos, o que o Ocidente não percebe é que a maior e mais valiosa exportação da China é o seu povo.

Em Harbin, conversei com dois estudantes de línguas que falam espanhol, inglês e russo fluentemente e que sonham em começar um negócio em Espanha. Em Guangzhou e Xangai, visitei livrarias onde os andares estão cheios de crianças pequenas, que leêm clássicos ingleses com seus pais. As lojas estão cheias de robôs de inteligência artificial, que ajudam as crianças a fazer os trabalhos de casa. Enquanto o sistema educacional ocidental está a emburrecer os seus filho, transformando-os em ovelhas, os chineses já prepararam uma geração que é amplamente educada, altamente disciplinada e pronta para fornecer um conjunto de talentos a um Ocidente exaurido e em rápida decadência. E um número cada vez maior de estudantes ocidentais está a estudar na China, percebendo que o seu futuro não está mais assegurado ao estudar nos ‘Harvards’ e ‘Yales’ da América, mas sim tornar-se competitivo o suficiente para ser aceite pelos novos centros financeiros de Leste.

 No monastério de Shaolin, vemos as sementes desta nova geração: 30.000 crianças a treinar oito horas por dia no calor e frio, imunes à dor e ao trabalho duro. As crianças chinesas estudam 12 horas por dia e um gerente de fundos de Singapura confessou-me que os estudantes chineses estão até a conseguir substituir os melhores formandos de Singapura, devido a seu treino e habilidades superiores.

E, enquanto os Estados Unidos acordam do seu sono complacente e ignorante na tentativa de iniciar uma guerra comercial, eles não percebem que, se há uma guerra, ela está perdida há muito tempo. Dezenas de milhões de jovens diplomados chineses, formados na China, e depois com mestrados das melhores universidades ocidentais, estão agora a liderar o caminho para expandir os negócios chineses em todo o mundo.

A China não apenas se reinventou, como iniciou um renascimento de proporções monumentais, que o mundo não está à espera. A nova política “One Belt One Road” está agora consagrada na lei para criar uma nova Rota da Seda Global, onde a indústria chinesa irá expandir o seu comércio para todas as nações dos quatro cantos do globo. Esses novos chineses, especializados em negócios, trarão consigo não apenas rios de dinheiro e investimentos chineses, mas também novas tecnologias em construção, ciência da computação, inteligência artificial e cinematografia que, em alguns casos, são melhores do que o Ocidente e com certeza o superarão nos próximos vinte anos.

Enquanto o Governo controla a sua fatia de manufatura e indústria, uma nova geração de empreendedores chineses foi autorizada a construir uma nova China. A China tem sua própria internet, os seus próprios sistemas de pagamento e os seus próprios portais comerciais, como o Ali Baba, que coexistem ao lado da antiga economia tradicional. O génio do capitalismo foi libertado e ninguém o vai conseguir travar. Dois bilhões de pessoas cheias de conhecimento e ideias, disciplinadas e educadas, estão a percorrer todos os cantos do mundo.

O Presidente Xi Jinping visitou o Panamá e muitos países da América Latina para promover a expansão económica e humana da China, na América Latina. A China está a construir estradas, pontes e prédios cheios apartamentos na Cidade do Panamá e em muitos outros centros da América Latina.

Para a América Latina, com as suas tradições feudais, economias atrasadas e força de trabalho altamente deseducada, a China representa uma oportunidade e um desafio. Mas seja qual for a visão, tanto estatisticamente quanto financeiramente, o peso dos números humanos e do capital eclipsará qualquer coisa que a nossa geração tenha conhecido antes.

Mas se houver um renascimento empresarial, haverá também um renascimento cultural na China. Cada vez mais os antigos valores estão a voltar, os templos estão a ser reconstruídos e os antigos caminhos estão a ressurgir. A China sempre defendeu os valores e tradições familiares; a sua breve experiência com a igualdade forçada está a terminar e, enquanto o Ocidente está rapidamente a se limitar, os chineses abertamente abraçaram novamente a cultura que vem com riqueza e prosperidade.

Todas as grandes marcas estão aqui, lojas de todos os locais do planeta têm os melhores produtos e iguarias do mundo, e os chineses estão a comprar o que o Ocidente não pode mais pagar. De facto, entre os novos ricos chineses, a moda agora é ter mordomos e amas ocidentais (inglesas/suíaos). Em três gerações, a realidade mudou completamente.

Em Harbin, pergunto ao meu taxista como ele vê as suas perspectivas e a sua vida. Ele responde que as coisas estão a melhorar, mais turistas estão a chegar, mais pessoas podem se dar ao luxo de pagar um táxi agora- ele já não pode reclamar. Em Xangai, os taxistas já falam inglês, mas dizem sempre a mesma coisa; que  a sua renda está a aumentar e as coisas, embora possam ser melhores, ainda não são boas. Há oficialmente mais de 50 milhões de milionários na China, que podem se dar ao luxo de pagar um táxi, os salários estão a subir e a economia não mostra sinais de estagnação nos próximos tempos.

“Eu não entendo estas tarifas”, diz ele. “Os americanos constroem as suas fábricas nas nossas cidades e enviam os nossos produtos para a América. Por que é que eles estão a tentar nos punir pelas suas ações? ”De fcato, ele está certo. Os Estados Unidos, isoladamente, fecharam todo o setor de manufatura, atraídos pela promessa de mão-de-obra barata e impostos baixos na Ásia. Agora a América pagou o preço pela sua própria insensatez e agora parece já ser tarde demais.

E, enquanto o Ocidente está ocupado aplicando as tarifas, o que não entende é que a economia interna da China é tão vasta que não precisa mais de depender a sua exportação de mercadorias para o Ocidente. Pode se voltar para o interior, suprindo a crescente demanda por bens e serviços da sua própria gigantesca população. Com a sua enorme reserva de dólares americanos, a China está agora a comprar o mundo, sempre segura no seu conhecimento de que é melhor manter a terra, do que o papel, que em breve não terá valor.

E, enquanto a América está preocupada com a “invasão chinesa”, os chineses já estão em todas as grandes cidades e países do mundo. Os chineses abandonaram a sua desastrosa política do filho único e agora estão a ter filhos. Enquanto o Ocidente está a envelhecer, a China está se tornar mais jovem, demonstrando que esta é literalmente a economia do futuro.

Brevemente, o ADN chinês estará presente nas linhagens da maior parte da população mundial, fazendo com que, daqui a algumas gerações, o mundo tornar-se-á a China. Isto não é bom nem mau, mas é tão inevitável quanto a disseminação global da humanidade desde a era do gelo.

Eu perguntei ao meu taxista o que ele deseja para os seus filhos.

“Viver no Ocidente”, respondeu ele.

Comentários
WhatsApp chat