O problema de oferecer passaportes para compradores de casas

0 25

Na quarta-feira, o Daily Mail – um jornal britânico que não é especialmente conhecido pela sua abordagem diferenciada ao jornalismo – publicou uma reportagem sobre um construtor, que vive no Dubai, que oferecia a cidadania moldava, como um bónus, para aqueles que comprassem as residências de luxo “Heart of Europe”, que fazem parte do arquipélago artificial “The World” do Dubai. Você poderá encontrar uma versão em inglês deste artigo aqui

Apresentada em termos familiares aos profissionais de imigração através de investimento, cansados de ler os retratos imprecisos e simplistas dos média da empresa – “backdoor”, “risco de segurança”, “evasão fiscal” -, a história, como seria de prever, ganhou força sem demora. No momento em que este texto foi escrito, a Arabian Business, a Forbes e uma série de outras empresas populares adotaram a narrativa de “passaportes europeus gratuitos para estrangeiros ricos”.

A cobertura, naturalmente, incluiu comentários que sugerem que a prática é desconcertante, tanto em termos de moralidade quanto de segurança.

“Além das preocupações éticas óbvias, isso representa um sério risco à segurança, tanto para a Moldávia, quanto para toda a área de Schengen à qual não existem acessos para vistos”, disse Naomi Hirst, da Global Witness, ao Daily Mail.

Nem as preocupações éticas, nem as ameaças de segurança são “óbvias”

 Oferecer aos compradores de imóveis no País X o benefício adicional de (potencialmente) se qualificarem para a cidadania no País Y não é eticamente errado. A jurisdição do CIP obtém fundos adicionais e não onerados (ou o que Christian Kälin tem em moeda de património líquido), além do que eles teriam obtido na ausência de tais truques de vendas criativas. Os compradores de imóveis residenciais estão interessados principalmente nos imóveis dos Emirados Árabes Unidos – e não em novas cidadanias -, de modo que a Moldávia provavelmente não teria recebido pedidos dessas mesmas pessoas, tal como aconteceria caso o benefício tivesse sido uma camisola grátis, ao invés da cidadania.

Tão pouco a prática de Kleindienst é problemática do ponto de vista da segurança nacional; só porque o construtor concorda em pagar o valor da doação obrigatória para a Moldávia – fundos que presumivelmente reduzem do preço de venda de 1,2 milhão de euros – isso não significa que o cliente está isento do mesmo processo de diligência e documentação, a que os investidores comuns da CIP estão sujeitos. O cliente pode não conseguir se candidatar depois de tudo, independentemente de ter comprado uma propriedade em frente à praia no Dubai. Então, a menos que o CIP da Moldávia seja, por si só, uma ameaça à segurança na Europa – o que não é devido aos seus requisitos rigorosos de verificação – o método Kleindienst também não o é.

 

Além das preocupações éticas óbvias, isso representa um sério risco de segurança para a Moldávia e para todo o espaço Schengen que pode ser acessado sem visto.

 

Não é um problema de segurança e não é uma questão moral. Mas é dor de cabeça em termos de PR.

 As pessoas já estão desconfortáveis com o conceito de cidadania, sendo tratada como uma mercadoria. Já discutimos antes que a troca de cidadania por investimento não combina bem com uma proporção significativa de leigos, que consideram a cidadania, não apenas como uma questão prática, mas como algo mais exaltado e solene, e até sacrossanto. A troca disso mesmo por dinheiro, consequentemente, para estes, torna-se vulgar. Acredito que essa é a maneira errada de encarar tudo isto e que esses críticos ignoram os seus argumentos originais, quanto à capacidade de investimento, mas, como indústria, devemos levar em consideração essas visões, independentemente das suas falhas, porque elas têm implicações na vida real.

 Quanto às preocupações de segurança, a menos que tenha familiaridade direta com a residência ou a cidadania, por meio do processamento de pedidos de investimento, é provável que você não tenha ideia nenhuma do que implica participar num tal programa, em termos de verificação de antecedentes e devida diligência. Se o privilégio de cidadania de Kleindienst é então descrito como algo “de graça” como um bónus e se, além disso, os jornais levarem os leitores a acreditar que a aquisição desse bónus pelo comprador é algo irrevogável, sem barreiras adicionais, não nos podemos surpreender se de facto tudo isto causar um alvoroço.

“Não é a questão da segurança como tal, mas é assustador para as pessoas em Bruxelas pensar que um construtor nos EAU é responsável pela promoção de vistos Schengen”, disse Bruno L’ecuyer, diretor do IMC, num e-mail para a IMI . Este senhor deveria saber mais, pois passou os últimos meses a reunir-se com autoridades europeias para desfazer mitos, que propagam a ideia de que criminosos podem obter passaportes da UE, se pagarem o valor certo. A história de Kleindienst irá definir o seu trabalho durante vários meses. Consulte: L’ecuyer: “Chocado e Alarmado” nos Equívocos dos MEPs, sobre o setor de IM.

Já vimos esse cenário de Sísifo acontecer muitas vezes no passado; O IMC, e as principais empresas do setor, gastam meses e milhões a corrigir mal-entendidos sobre o RCBI, apenas para verem os seus esforços serem desfeitos em apenas segundos, devido a uma notícia descabida.

Kleindienst deveria assumir alguma responsabilidade aqui.

Em primeiro lugar, pela maneira como inicialmente anunciava a cidadania como “automática”, o que exacerba o equívoco generalizado da cidadania através investimento como sendo um negócio simples para a obtenção de passaportes.

Segundo, porque eles deveriam saber que isso seria prejudicial para todos, exceto para aqueles que sabem como os programas RCBI realmente funcionam.

 Kleindienst poderia se redimir ainda, talvez através de uma doação única para o CMI para compensar o dano causado por este. A empresa supostamente atingiu um recorde de US$ 100 milhões no primeiro trimestre deste ano, então eles devem ser capazes de oferecer ao IMC este “kleiner Dienst”

Comentários
WhatsApp chat